logo
homeandmail

 

 

 


Displasia mamária
displasia

ALTERAÇÕES FUNCIONAIS BENIGNAS DA MAMA (DISPLASIA MAMÁRIA)

 As principais alterações benignas das mamas, chamadas antigamente de displasia mamária, são:

Fibroadenoma
Alterações funcionais

FIBROADENOMA DE MAMA
 O fibroadenoma de mama é um nódulo de origem e evolução benigna que aparece geralmente entre 15 e 25 anos de idade. Quase sempre mede de 1 a 2 cm, é duro, móvel, único, não doloroso e bem delimitado, como se fosse uma "bolinha de gude" dentro da mama.

O tratamento de rotina é a retirada deste nódulo por meio de pequena cirurgia, com incisão estética ao redor da aréola mamária. Em mulheres abaixo dos 40 anos com exames diagósticos sem suspeita de malignidade, pode-se optar por uma conduta de observação com exames de controle do nódulo anuais ou semestrais.

 ALTERAÇÕES FUNCIONAIS BENIGNAS DAS MAMAS (AFBM)

 As AFBM caracterizam-se por dor e espessamento (“endurecimento” mamário), geralmente com piora no período pré-menstrual de caráter cíclico. Aparecem depois da adolescência, tendem a melhorar com a gestação e lactações e desaparecem na menopausa.

 As AFBM são alterações totalmente benignas. A chance de uma mulher com dor mamária vir a ter um tumor de mama é a mesma das outras mulheres, ou seja, quem tem dor mamária não tem risco elevado de câncer.

 A dor mamária é comum na mulher moderna, provavelmente em decorrência de ação hormonal continuada pelos estrogênios ovarianos, em pessoas que engravidam poucas vezes e quase não amamentam.

 Para tratamento das AFBM deve-se evitar remédios desnecessários. O ideal é que a paciente converse com seu médico de confiança, para entender o que acontece. Na maioria das vezes, isto já é suficiente para tranqüilizá-la. Além disso, vale à pena evitar excesso de alimentos com cafeína no período pré-menstrual (refrigerantes tipo cola, café, chá e chocolate) e recomenda-se, nesse período, o uso de sutiãs largos, do tipo sutiã de esportista, que sustentam melhor as mamas.

 Mulheres com desconforto muito intenso, que não respondem às medidas anteriormente citadas, podem precisar de tratamento com medicamentos, os quais devem ser prescritos somente por um médico.